Mulheres são maioria na atividade de Vendas Diretas

Postado em 18/06/2020

Negócio /

Cerca de 56,7% dos profissionais que trabalham nas vendas diretas no Brasil são mulheres, o dado é da última pesquisa de perfil da força de vendas divulgada pela ABEVD – Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas.

Para Adriana Colloca, presidente executiva da ABEVD, mulheres são naturalmente líderes, o que faz elas se destacarem dentro da força de vendas. “Temos muitas empreendedoras independentes que, antes mesmo de iniciarem nas vendas diretas, eram chefes de família, já geriam seus lares, mesmo sem trabalhar fora, e nem se davam conta disso”, explicou a executiva.

Outro fator que atrai mulheres para as vendas diretas é a oportunidade de conquistarem independência financeira. De acordo com a pesquisa Impulso (Impacto Socioeconômico da Avon na Vida da Revendedora), 55,4% das empreendedoras da empresa passaram a decidir como gastar seu dinheiro após se tornarem revendedoras. “É gratificante saber que temos contribuído para que muitas mulheres conquistem a sua liberdade econômica”, explicou Daniela Grelin, diretora de comunicação da Avon.

A última pesquisa de perfil da força de vendas divulgada pela ABEVD ainda mostra que a atividade eleva em 40% o orçamento familiar dos revendedores. “As vendas diretas sempre tiveram esse papel importante de emancipação da mulher, principalmente da mulher que é mãe e trabalha em casa”, explicou a presidente executiva da Associação.

Flexibilidade de Horário

“Toda atividade que flexibiliza o horário da mulher é fundamental”, indica Kátia Coutinho, diretora de marketing da empresa de produtos de beleza do segmento de vendas diretas Cless Cosméticos. Uma das características da venda direta é propiciar ao revendedor – também chamado de empreendedor independente – a possibilidade de fazer seu próprio horário, o que para mulheres é muito atrativo devido às tarefas, profissionais, familiares e domiciliares, que ainda hoje acabam acumulando e desempenhando sozinhas.

Comunicação

“Mulheres são ótimas comunicadoras, relacionam-se com muita facilidade, gostam de experimentar e contar suas experiências”. Essa é a opinião de Ana Thereza, diretora comercial da Profit Marketing, empresa de venda direta de cosméticos. A comunicação é o coração do modelo de negócios de vendas diretas, já que é totalmente baseado em desenvolver uma relação de confiança com o consumidor final. Mesmo por meio das redes sociais, estabelecer uma boa relação é determinante para a finalização desse tipo de venda.

O que é Venda Direta?

Venda direta é a conhecida “venda porta-a-porta” ou “venda por catálogo”. Em resumo, é a comercialização de produtos por meio de revendedores. Para trabalhar nesse ramo é necessário possuir boas habilidades interpessoais, já que a venda direta é baseada na relação entre revendedor e cliente. Hoje, mais da metade dos profissionais brasileiros do segmento são mulheres, mas, como compreender esse dado?

A ABEVD

A Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (ABEVD) é uma entidade sem fins lucrativos, criada, em 1980, para promover e desenvolver a venda direta no Brasil, assim como representar e apoiar empresas que comercializam produtos e serviços diretamente aos consumidores finais.

A ABEVD e´ membro da World Federation of Direct Selling Associations (WFDSA), organização que congrega as associações internacionais de vendas diretas existentes no mundo. Por isso, segue os códigos de ética implantados por suas filiadas, que representam mais de 70 países.

Website: https://www.abevd.org.br/

http://www.agenciaoglobo.com.br/dinonews/Default.aspx?idnot=78570&tit=Mulheres+s%C3%A3o+maioria+na+atividade+de+Vendas+Diretas

NOSSAS MARCAS